Ver a minha lista (3)
Informação de destaque
Alentejo

No Alentejo viaja-se naturalmente com e pela História.

A abundância e a qualidade do Património que a exprime tornam simples a sua descoberta, mas quem visita a região pela primeira vez pode sentir alguns problemas de escolha. Se é o seu caso, não hesite: opte pelas nossas sugestões e verá que a magia do Alentejo se encontra, com um infinito prazer, em todos os lugares.

A beleza da paisagem e a qualidade do seu património arqueológico, monumental, arquitectónico e etnográfico, a par da excelência da sua gastronomia e vinhos, conferem-lhe condições de exceção para uma descoberta que associe o turismo de natureza e o turismo cultural.

 

Para se conhecer bem o Alentejo é preciso visitá-lo em todas as estações. A paisagem muda muito ao longo do ano e são sazonais as actividades rurais mais interessantes que podem observar-se.    

Subitamente, os amarelos tomam a paisagem. É entre Junho e Julho que se faz a ceifa das searas, momento por excelência para imaginar, no pino do calor, a vida dos homens e das mulheres que, há uns anos atrás, faziam à mão e de sol a sol o que hoje é feito por ceifeiras-debulhadoras e máquinas de enfardar. Mais tarde, quando ouvir o cante alentejano vai percebê-lo melhor.

Mas não é só o amarelo da secura que se vê na paisagem: nos meses de verão pode ver o brilho dos campos de girassol e de tremocilha, a exuberância do verde das vinhas e, na envolvente das albufeiras que alimentam o regadio do Alentejo interior, as cores fortes do milho e das culturas hortícolas. No vale do Sado é um momento por excelência para ver os arrozais e, sobre eles, as pinceladas rosa e branco do voo dos flamingos.

Em qualquer altura do ano, sempre que sentir no ar o cheiro forte da madeira queimada, pare e vá espreitar os fornos tradicionais de carvão de azinho ou de oliveira. 

Se estiver no litoral, visite um porto de pesca. Aqui, como em todo o mundo, os pescadores são gente arrojada e só não saem para o mar quando não podem. Vá vê-los partir em busca de tudo o que marca a diferença da gastronomia alentejana da costa e, no regresso, assista à animação da lota.

É um permanente fascínio descobrir esta parte do Alentejo que se abre ao mar. Marginando os sapais do estuário do Sado, atinge-se uma imensa linha de costa que, entre a ponta de Tróia e o cabo de Sines, toma a forma de um ininterrupto areal. No interior, onde se destaca a exuberante verdura da serra de Grândola, o montado de sobro convive com densas manchas de pinhal, os rios represam-se em belas albufeiras e a abundância da água dá vida a extensos arrozais. Subitamente, a paisagem muda. Para sul de Sines, as fantasias mais caprichosas do tempo geológico fizeram do mar e do vento seu escopro e cinzel, talhando falésias, contorcendo blocos de xisto, criando cordões dunares que bordejam areais, fazendo e desfazendo pequenas e secretas praias, definindo novos contornos à vegetação, temperando o planalto costeiro, alimentando a vida de algas, peixes, répteis, aves e mamíferos raros …
            
É um museu palpitante de história e de vida natural, que mereceu a classificação de três Áreas Protegidas: as Reservas Naturais do Estuário do Sado e das Lagoas de Santo André e Sancha, e o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

Passeios organizados
A oferta das empresas locais inclui programas em terra similares às que se encontram em todo o Alentejo interior – passeios a pé, em btt, de jipe e a cavalo – e, como seria de esperar numa zona costeira, múltiplas actividades fluviais e marítimas: passeios nos Galeões do Sal do rio Sado com observação de flamingos e golfinhos, passeios de barco e canoagem no rio Mira, pesca embarcada no mar, cruzeiros marítimos, mergulho (cursos, baptismos, saídas, caça submarina), surf, windsurf, kitesurf e bodyboard. Algumas destas empresas alugam btts, embarcações motorizadas, canoas e caiaques.

2450 Anos de História - Caminho das Oliveiras Milenares em Monsaraz (3 dias / 2 noites) #2919
Programa
2450 Anos de História - Caminho das Oliveiras Milenares em Monsaraz (3 dias / 2 noites)
Verdadeiras testemunhas do tempo que passou por terras Alentejanas. Magnificas Oliveiras Milenares, onde se destaca uma oliveira com 2.450 anos, a segunda Oliveira certificada mais antiga de Portugal.
Desde €196,00 (pax)
  Adicionar à minha lista (3)
Alandroal, História e Gastronomia (3 dias, 2 noites) #2579
Programa | Alandroal
Alandroal, História e Gastronomia (3 dias, 2 noites)
Entre neste magnífico programa que inclui Terena, Alandroal e Juromenha. Conheça a riqueza da gastronomia e dos monumentos que contemplamos no programa.
Desde €222,00 (pax)
  Adicionar à minha lista (3)
Serpa, Terra do Queijo e do Vinho (2 dias, 1 noite) #1920
Programa | Serpa
Serpa, Terra do Queijo e do Vinho (2 dias, 1 noite)
Serpa terra de património, de verdadeiras preciosidades e da gastronomia onde poderá usufruir de vinhos e queijos de excelência.Passe 2 dias inesquecíveis nesta zona do baixo alentejo...
Desde €88,00 (pax)
  Adicionar à minha lista (3)
Viana do Alentejo - Centenária Feira d'Aires com gastronomia, artesanato e animação
De 26 a 28 de Setembro o espaço envolvente ao Santuário de Nossa Senhora d'Aires enche-se de festa com actividades económicas, artesanato, gastronomia, animação e manifestações religiosas. Uma iniciativa que junta o sagrado e o profano e atrai milhares de visitantes todos os anos.
Odemira - Aldeia de Santa Clara-a-Velha acolhe Festival do Achigã
Petiscos regionais, com destaque para o achigã, concursos de pesca, animação e espectáculos musicais vão animar o certame que terá lugar nos dias 13 e 14 de Setembro, na aldeia de Santa Clara-a-Velha, no interior odemirense.
Odemira - Vila alentejana homenageia padroeira local
Espectáculos musicais, uma conferência e celebrações religiosas são alguns dos eventos integrados nas Festas em honra de Nossa Senhora da Piedade, em Odemira, de 2 a 8 de Setembro.
Mértola - Exposição retrata relação histórica entre a vila e o Guadiana
Até 28 de Setembro, a nova sala de exposições do castelo de Mértola, acolhe uma mostra itinerante que retrata a histórica relação entre a vila alentejana e o rio Guadiana.